A ideia do imposto sobre grandes fortunas

O empresário Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo, defendeu em uma entrevista o imposto sobre grandes fortunas, voltando a gerar enormes discussões ao redor do mundo a respeito do tema. Ele afirmou que considera adequado que os milionários e bilionários paguem bem mais que as outras pessoas.


Levando em conta que na imensa maioria dos países capitalistas os impostos, como por exemplo o de renda, possuem alíquota percentual, é correto afirmar que os milionários e bilionários já pagam valores bem maiores que pessoas de classe média, por exemplo. Essa quantia é sempre proporcional.



Milionários e bilionários, de alguma forma, contribuem muito com os países em que eles deixam sua renda. Seja através de empresas que eles possuem e que crescem, gerando empregos, impostos e rendas para a nação, ou investindo seu dinheiro em outras empresas, ajudando a crescer, ou até mesmo por meios de tributos que se originam de sua renda ou consumo. É benéfico para qualquer país possuir indivíduos com muito dinheiro, isso traz arrecadação e benefícios.


Ao taxar as grandes fortunas, cobrando mais impostos do que esses indivíduos já pagam, o que acontece é uma provável saída dos mais ricos daquela nação, junto com a retirada de seu capital. Isso já aconteceu em diversos lugares.


Podemos analisar como exemplo a França, quando, em 2012, com intenção de taxar as grandes fortunas e diminuir a desigualdade, criou-se uma tabela de impostos que chegava a uma alíquota de até 75%. O que aconteceu foi que milhares de franceses ricos saíram em busca de uma nova cidadania, como Bernard Arnault, homem mais rico do país e CEO do grupo LVMH, dona das marcas Louis Vuitton, Moët Chandon, Hennessy e mais 54 marcas de luxo, que mudou sua cidadania para a Bélgica. O país perdeu renda, empregos e deixou de arrecadar impostos.


A Alemanha foi outro país que já adotou e depois desistiu dessa tributação. O país já cobrou impostos dos mais ricos da população, mas o governo considerou a tributação pouco atraente, pois não conseguiu auferir resultados, decidindo por encerrar a cobrança em 1997. Hoje cobra-se apenas o imposto de renda usual.


Engana-se quem pensa que os mais ricos não avaliam estrategicamente suas fortunas. Que indivíduo manteria sua renda, seus negócios, seus imóveis, num país com uma alta carga tributária e que ainda não os retorna minimamente?


Caio Ferolla Silva é Associado III e membro do comitê de formação do Instituto Líderes do Amanhã

SEGUIR

  • Preto Ícone YouTube

©2020 by podcast. Proudly created with Wix.com

Ouça em

Spotify_Logo.png
Sondcloud_Logo.png
Itunes_Logo.png
gp-logo.png
youtube-play-icone.png