A cultura da ignorância e o uso da razão


Um dos fundamentos para desenvolvimento de uma sociedade é a evolução do seu capital humano. Segundo a teoria do crescimento econômico, até a década de 1950, entendia-se que os fatores que causavam desequilíbrio no crescimento das nações eram recursos naturais, capital e trabalho.


Posteriormente constatou-se a incongruência dessa análise e a teoria, mais amplamente divulgado pelo livro O valor econômico da educação, de Theodore Schultz, passou a considerar uma outra variável relevante, o capital humano.


Há décadas, sabe-se então, que o capital humano é um dos maiores ativos de uma nação para se chegar à prosperidade econômica. Ainda assim, o Brasil figura entre um dos piores países do mundo nos principais índices educacionais. No PISA, prova internacional coordenada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), aplicada em 70 países, o país ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática.


A baixa qualificação dos indivíduos cria um ambiente abundante para a aceitação de ideias sem fundamentos, e inférteis para o desenvolvimento econômico.

Essa equação, alimentada década após década, resulta em uma cultura de valores obsoletos, criando uma sociedade que questiona a meritocracia em detrimento da produtividade, que amaldiçoa o trabalho duro e enaltece as vantagens sem esforços, que despreza a racionalidade e admira o apelo emocional, que não respeita o livre mercado e perpetua o populismo, o “pobrismo” e a ignorância.



Nesse contexto, o Brasil desenvolveu sua brasilidade, galgada num cacoete cultural que adota o primitivismo, se glorificando dos seus piores defeitos como a malandragem, o jeitinho e a vantagem imprópria. O país não se sobressai no mundo por estar na vanguarda tecnológica ou econômica, por grandes descobertas da ciência ou por produzir feitos que quebram paradigmas e solucionam problemas globais. Talvez um dos grandes feitos do Brasil seja nunca ter ganhado um prêmio Nobel, que reflete essa cultura repleta de elementos que nutrem o baixo capital humano da sociedade.


Para a sociedade amadurecer, faz-se necessário enxergar os seus erros. Existem inúmeros casos de virada de mesa. Um dos mais significativos foi o caso da Coreia do Sul que na década de 1960 apresentava índices de desenvolvimento comparáveis com Senegal e Moçambique e, após utilizar a educação básica como motor para o crescimento, atualmente figura entre as principais economias do mundo.


Um dos aspectos que demonstram esse olhar anacrônico do Brasil na tomada de decisões é a forma como aplica seus recursos. Dados da OCDE mostram que na Coreia do Sul, para cada dólar investido no ensino básico, $ 1,50 é aplicado no ensino superior, naturalmente mais caro. Já no Brasil, o desequilíbrio é expressivo: quatro dólares gastos no ensino superior para cada dólar gasto no ensino básico, esse desequilíbrio resulta em pessoas com má formação intelectual, cognitiva e educacional.


A humanidade, através de dezenas de milhares de anos, fez um esforço atroz para sair do primitivismo das cavernas, progredindo através de inovações e estabelecendo instituições como a família e a educação. Porém, a cultura brasileira parece seguir na contramão dos fundamentos e pressupostos básicos para prosperar, com níveis baixíssimos de capital humano e confiança social. Querem que voltemos alguns séculos de pensamento e aprendizado racional. Contudo, o progresso tem um caminho simples, o abandono das ideias populistas e dos ideais coletivistas e a retomada na crença do indivíduo, no livre mercado e na supremacia do uso da razão.


Gilvan Badke, Associado Honorário do Líderes do amanhã

©2021 by podcast. Proudly created with Wix.com

Ouça em

Spotify_Logo.png
Sondcloud_Logo.png
Itunes_Logo.png
gp-logo.png
youtube-play-icone.png